quarta-feira, 9 de setembro de 2015

A PERFEIÇÃO CRISTÃ


Se queres, filha amantíssima em Cristo, alcançar o cume da perfeição, chegar ao teu Deus, e te unires a Ele – empreendimento mais nobre que quantos outros se possam imaginar – deve primeiro conhecer em que consiste a verdadeira vida espiritual.
Muitos, sem pensar, julgam que ela consiste na austeridade de vida, no castigo da carne, nos cilícios, nos açoites, nas longas vigílias, nos jejuns, em outras penitências e fadigas corporais.
Outras pessoas, mulheres especialmente, pensam ter chegado a grande perfeição, quando rezam muito, ouvem muitas missas e longos ofícios, frequentam as Igrejas e a Sagrada Comunhão.
Outros, ainda, e entre eles, certamente muito religioso de convento, chegaram à conclusão de que a perfeição consiste na frequência ao coro, no silêncio, na solidão e na disciplina.
E assim variam as opiniões, e uns colocam a perfeição nisto e outros, naquilo.
A verdade, porém, é muito outra. Tais ações são, às vezes, meios de adquirir o espírito, e, às vezes, frutos do espírito. Não se pode, porém, dizer que somente nestas coisas consista a perfeição cristã e o verdadeiro espírito.
Sem dúvida são poderosíssimos meios para o espírito, quando delas nos utilizamos com discrição. Dão força à nossa alma contra a nossa maldade e fragilidade; fortalecem-na contra os assaltos e as insídias do inimigo; alcançam-nos auxílios espirituais, tão necessários aos servos de Deus, máxime aos que principiam.
Estas práticas são também fruto do espírito, nas pessoas espirituais que castigam o corpo, por ter este, ofendido o Criador e recolhem-se longe do mundo para se dedicarem ao serviço divino e não ofenderem em nada o Senhor. Dedicam-se ao culto divino e às orações, meditam a Vida e a Paixão de Nosso Senhor, não por curiosidade e gosto sensível, mas para conhecerem sempre mais a própria maldade, a bondade e misericórdia de Deus, e mais se inflamarem no amor divino e no ódio de si mesmo. Seguem com grande abnegação, e com sua cruz às costas, o Filho de Deus, frequentam os santos sacramentos, para a glória de sua Divina Majestade, para mais se unirem com Deus e para adquirirem novas forças contra o inimigo.
Se, porém, põe todo o fundamento de sua virtude nas ações exteriores, estas ações, por não serem defeituosas, pois são santíssimas, mas pelo defeito de quem as usa, serão às vezes, mais que os próprios pecados, a causa de sua ruína. Pois estas almas apenas prestam atenção às suas ações, largam o coração às suas inclinações naturais e ao demônio oculto. Este, reparando já estar aquela alma fora do caminho, deixa-a continuar com deleites naqueles exercícios e embala-a com o pensamento das delícias do paraíso. A alma logo se persuade já estar nos coros angélicos e possuir Deus em sua alma. Embevecendo-se em altas meditações, em curiosos e deleitantes pensamentos, e, quase esquecida do mundo e das criaturas, pensa estar no terceiro céu.
Está, porém, envenenada e longe da perfeição. Pela vida e pelos costumes destas pessoas, muito facilmente poderemos deduzi-lo.
Querem sempre, nas coisas pequenas e nas grandes, ser os preferidos. Querem que sua opinião e sua vontade sejam sempre respeitadas. Não reparam nos próprios defeitos e observam e criticam os defeitos do outros. Querem que os outros façam dele excelente juízo e se comprazem nisto. Mas se tocas de leve em sua reputação, ou se falas da devoção que exibem, logo se alteram e muito se inquietam.
E se Deus, para levá-los ao conhecimento verdadeiro deles mesmos e ir à estrada da perfeição, manda-lhes trabalhos e enfermidades, ou permite perseguições (que nunca vêm sem a vontade divina, que, às vezes, o permite, e são a pedra de toque com que Ele examina a lealdade de seus servos), então se descobre a base falsa da sua devoção. Vê-se que tem o interior corrompido pela soberba, porque, nas diversas circunstâncias, sejam alegres ou tristes, não se humilham perante a vontade divina, respeitando os justos e secretos juízos de Deus. Nem a exemplo de Jesus Cristo abaixam-se perante as criaturas, têm por amigos caros, os perseguidores, e entendem que eles são instrumentos da divina bondade e meios de mortificação, de perfeição e de salvação.
Estes estão em grave perigo de cair, porque têm o olhar interno obscurecido. É com este olhar que contemplam a si mesmos e suas obras externas boas, atribuindo-se muitos graus de perfeição. E, ensoberbecidos, julgam os outros.
A não ser um auxílio extraordinário de Deus, nada os converterá.
Por isso, mais facilmente se converte e se dá ao bem, o pecador manifesto, que o oculto e coberto com o manto das virtudes aparentes.
Vês, pois, claramente, que a vida espiritual, como declarei acima, não consiste nestas coisas.
A virtude outra coisa não é, senão o conhecimento da bondade e grandeza de Deus, e da nossa nulidade e inclinação ao mal; o amor de Deus e o ódio de nós mesmos; a sujeição, não somente a Ele, mas, por seu amor, a toda a criatura; o desapropriamento da nossa vontade e o acatamento total de suas divinas disposições; por fim querer e fazer tudo isso, para a glória de Deus, para seu agrado, e porque Ele quer e merece ser amado e servido.
Esta é a lei do amor, expressa pela mão de Deus nos corações de seus servos fiéis.
Esta é a negação de nós mesmos, que Ele exige de nós. Este é o jugo suave e o ônus leve.
Esta é a obediência a que nosso divino Redentor e Mestre nos chama com sua voz e com seu exemplo.
Se aspiras a tanta perfeição, deves fazer contínua violência a ti mesma, para combateres generosamente e aniquilar todas as tuas vontades, grandes e pequenas. Para isso é necessário que, com grande prontidão de ânimo, te aparelhes para esta batalha, pois só é coroado o soldado valoroso.
Este combate é difícil, mais que nenhum outro, pois combatemos contra nós mesmos. Por maior, porém, que seja a batalha, mais gloriosa, e mais cara a Deus, será a vitória.
Se tratares de sufocar todos os teus apetites desordenados, teus desejos e vontades, mesmo muito pequenas, maior serviço farás a Deus do que se te flagelares até o sangue, jejuares mais que os antigos eremitas e anacoretas, converteres milhares de almas, guardando vivos, voluntariamente, alguns destes apetites.
Naturalmente, o Senhor aprecia mais a conversão das almas do que a mortificação de uma pequenina vontade. Apesar disto, não deves querer nem obrar, senão aquilo que o Senhor restritamente quer de ti. E sem dúvida Ele mais se compraz em que te canses em mortificar as tuas paixões do que em O servires em algum trabalho, por grande e necessário que seja, guardando viva em ti, advertida e voluntariamente, alguma paixão.

Agora que vês, filha, em que consiste a perfeição cristã e como, para a conquistar é preciso empenhar uma contínua e duríssima guerra contra ti mesma, necessitas de quatro coisas como armas seguríssimas e muito necessárias, para vencer nesta batalha espiritual.
São as seguintes:
A desconfiança em ti mesma, a confiança em Deus, o exercício e a oração.
Com a ajuda divina, algo diremos, sucintamente, sobre estes assuntos.

 Do Livro: O Combate Espiritual, D. Lorenzo Scúpoli

Nenhum comentário:

Postar um comentário