sábado, 17 de outubro de 2015

A respeito do desapego as criaturas - Santo Afonso de Ligório.

   Eis o que lhes diz Sta. Teresa: Desapegai o vosso coração de todas as coisas, e, depois, procurai a Deus e o achareis. — Para procurar e achar a Deus, é preciso primeiro conhecê-lo. Mas como pode conhecer a Deus e suas belezas infinitas, quem vive apegado às criaturas? Se em um vaso de cristal cheio de terra não pode entrar a luz do sol, assim também, em um coração ocupado pelos afetos terrenos e pelo apego dos prazeres, às riquezas, e às honras, não pode brilhar a luz divina. É por isso que o Senhor nos diz: Purificai os vossos corações de toda 
a paixão, e vereis que eu sou vosso Deus. Quem quiser ver a Deus, deve tirar a terra de seu coração, e tê-lo fechado a todos os afetos mundanos. Justamente isto quis dar-nos a entender Jesus Cristo na célebre metáfora da porta fechada, quando disse: Quando fizerdes oração, entrai no vosso quarto, e, fechando a porta, rogai em segredo a vosso Pai. Quer dizer que a alma, para se unir com Deus na oração, precisa retirar-se no seu coração, que é, segundo 
     Sto. Agostinho, o gabinete de que fala o Senhor, cuja entrada se deve fechar a todos os afetos terrenos. 
     Isto é também o que notou Jeremias por estas palavras. — A alma solitária, ou desapegada, na qual calarão os afetos da terra, se estreitará com Deus na oração com santos desejos, com ofertas de si mesma e com outros atos de resignação e de amor: e então se achará elevada acima das coisas criadas, de sorte que se rirá dos mundanos que tanto estimam e buscam os bens desta terra, aos quais ela julgará mesquinhos e indignos do amor de um coração criado para amar o bem infinito que é Deus. Em um de seus cânticos, o cardeal Petrucci diz que um coração consagrado ao amor divino ultrapassa em grandeza ao mundo inteiro.



Santo Afonso de Ligório - A Verdadeira Esposa de Cristo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário