segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Nossa Senhora, esperança dos pecadores



Havia no mosteiro de Reichensberg um cônego regular, por nome Arnaldo, muito devoto da Santíssima Virgem. Estando para morrer, chamou, após a recepção dos santos sacramentos, os religiosos e pediu-lhes que não o abandonassem naquele último momento. Apenas isto dissera, começou a tremer, a revirar os olhos e a suar frio. Irmãos — perguntou com voz trêmula — não vedes os demônios que me querem levar para o inferno? Invocai, meus irmãos, invocai por mim o auxílio de Maria; eu nela confio; ela me fará triunfar. Rezaram então os presentes a Ladainha da Mãe de Deus, e às palavras “Santa Maria, rogai por ele” disse o moribundo: Repeti o nome de Maria, pois já estou perante o tribunal de Deus. Parou um pouco e depois acrescentou: É verdade, eu cometi este pecado, mas também dele fiz penitência. Dirigindo-se à Santíssima Virgem, suplicou: Ó Maria, assisti-me e eu serei salvo. De novo o assaltaram os demônios, mas Arnaldo se defendia com o Santo Crucifixo e com a invocação do nome de Maria. Assim passou a noite inteira. Ao alvorecer, completamente sereno, exclamou com alegria: Maria, minha Senhora e meu refúgio, obteve-me o perdão e a salvação. Olhando em seguida para a Virgem que o convidava a segui-la, disse: Já vou, Senhora, já vou. E fez um esforço para levantar-se. Não podendo, contudo, segui-la com o corpo, segui-a com a alma, ao reino da glória eterna, expirando docentemente.

(Retirado do Livro: Glorias de Maria, Por Santo Afonso)

Nenhum comentário:

Postar um comentário