segunda-feira, 30 de novembro de 2015

O Terceiro Segredo - Parte I (O derradeiro combate do demônio)

      Precisamente como a Virgem Maria predisse em 1917, a 2ª Guerra Mundial começou no pontificado de Pio XI, na altura em que Josef Stálin estava a liquidar os Católicos e a exportar o comunismo mundial a partir da Rússia Soviética. Em Junho de 1943, a Irmã Lúcia, já com 36 anos de idade, adoeceu com pleurisia. Este facto alarmou muito o Bispo de Leiria, D. José Alves Correia da Silva, e o seu grande amigo e conselheiro Cónego Galamba. Ambos receavam que a Irmã Lúcia morresse sem escrever o Terceiro Segredo.


Tão terrível que nem conseguia escrevê-lo     

Assim, sugeriram-lhe em Setembro de 1943 que o escrevesse, mas ela escusou-se a fazê-lo porque não queria assumir por si própria a responsabilidade de uma tal iniciativa. Disse, porém, que obedeceria a uma ordem expressa do Bispo de Leiria. A Irmã Lúcia estava extremamente preocupada com o facto de, sem esta autorização, não ter ainda licença de Nosso Senhor para revelar o Terceiro Segredo.     Em meados de Outubro de 1943, durante uma visita à Irmã Lúcia no Convento de Tuy, em Espanha (a cerca de 400 quilómetros de Fátima e não longe da fronteira portuguesa), D. José Alves Correia da Silva deu-lhe uma ordem formal para escrever o Segredo. A Irmã Lúcia tentou então obedecer à ordem do Bispo, mas foi incapaz de o fazer nos dois meses e meio que se seguiram.A própria Virgem Santíssima autoriza a Irmã Lúcia a revelar o Segredo      Finalmente, a Santíssima Virgem Maria apareceu de novo a Lúcia em 2 de Janeiro de 1944, para lhe dar forças e lhe confirmar que era realmente da vontade de Deus que ela revelasse a parte final do Segredo. 

Uma só folha de papel

      
     Depreende-se imediatamente que o Segredo implicava dois documentos: um, fechado num envelope; e o outro, contido num caderno de apontamentos da Irmã Lúcia (não sendo assim, por que razão teria ela entregado o caderno, além do envelope?). Para já, concentremo-nos no que estava contido no envelope fechado.    
     
     Lúcia estava ainda tão perturbada com o conteúdo do Segredo que não confiava a ninguém o envelope fechado (juntamente com o caderno de apontamentos), a não ser a um Bispo que o levasse a D. José Alves Correia da Silva. Em 17 de Junho de 1944, a Irmã Lúcia deixou Tuy, atravessou o Rio Minho e chegou ao Asilo Fonseca, onde entregou ao Arcebispo titular de Gurza, D. Manuel Maria Ferreira da Silva, o caderno em que tinha inserido o envelope com o Terceiro Segredo. No mesmo dia, o Arcebispo entregou o Segredo ao Bispo de Leiria na sua casa de campo, não longe de Braga; e este levou-o para o Paço Episcopal em Leiria. Estes pormenores são muito importantes, em vista do que se lê no comentário ao Terceiro Segredo que o Vaticano publicou em 26 de Junho de 2000. 
         Desde o início que o testemunho unânime era que o Terceiro Segredo estava escrito em forma de carta, numa só folha de papel. O Padre Joaquín Alonso, arquivista oficial da documentação sobre as aparições de Fátima, relata que tanto a Irmã Lúcia como o Cardeal Ottaviani afirmaram que o Segredo estava escrito numa só folha de papel:
     A Lúcia diz-nos que o escreveu numa folha de papel. O Cardeal Ottaviani, que o leu, diz-nos a mesma coisa: ―Ela escreveu-o numa folha de papel‖ (…)3. 
     O Cardeal Ottaviani, então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, declarou que lera o Terceiro Segredo e que este estava escrito numa só folha de papel. Testemunhou este facto em 11 de Fevereiro de 1967, numa conferência de imprensa por ocasião de uma reunião da Academia Pontifícia Mariana em Roma. Disse o Cardeal:
      E então, o que fez ela [a Lúcia] para obedecer à Santíssima Virgem? Escreveu numa folha de papel, em português, o que a Santa Virgem lhe pedira que dissesse (…) 4.
      O Cardeal Ottaviani é testemunha deste facto. Na mesma conferência de imprensa, disse:
      Eu, que tive a graça e o dom de ler o texto do Segredo - embora também esteja obrigado a mantê-lo secreto, por tal me ser imposto pelo Segredo (...).
     Temos igualmente o testemunho de D. João Venâncio, na altura Bispo Auxiliar de Leiria-Fátima, que, em meados de Março de 1957, tinha ordens do Bispo D. José Alves Correia da Silva para entregar cópias de todos os escritos da Irmã Lúcia - incluindo o original do Terceiro Segredo - ao Núncio Apostólico em Lisboa, para este os transferir para Roma. Antes de entregar os escritos da Irmã Lúcia ao Núncio, D. João Venâncio pegou no envelope com o Terceiro Segredo, olhou para ele a contra -luz e reparou que o Segredo estava «escrito numa pequena folha de papel» Frère Michel identifica em primeiro lugar a natureza deste testemunho:
     Todavia, graças às revelações do Bispo [D. João] Venâncio, na altura Bispo Auxiliar de Leiria e intimamente envolvido nestes acontecimentos, estamos hoje na posse de muitos factos fidedignos que nós teremos cuidado em não esquecer. Eu próprio os recebi da boca do Bispo [D. João] Venâncio em 13 de Fevereiro de 1984, em Fátima. A este propósito, o antigo Bispo de Fátima repetiu-me, quase palavra por palavra, o que já dissera antes ao Padre Caillon, que disso deu um relato muito pormenorizado nas suas conferências.
     Aqui está o testemunho de D. João Venâncio, segundo Frère Michel:
     O Bispo [D. João] Venâncio contou que, logo que se viu sòzinho, pegou no envelope grande do Segredo e tentou ver o seu conteúdo à transparência. Dentro do envelope grande do Bispo vislumbrou um envelope mais pequeno, o da Lúcia, e dentro deste envelope uma folha de papel vulgar, com margens, de cada lado, de uns 7,5 milímetros. Teve o cuidado de anotar o tamanho de tudo. Logo, o último Segredo de Fátima foi escrito numa pequena folha de papel 8. [ênfase acrescentada].
      Os indícios mostram ainda que esta folha de papel tinha de 20 a 25 linhas de texto. Os testemunhos da Irmã Lúcia, do Cardeal Ottaviani, do Bispo D. João Venâncio, do Padre Alonso, de Frère Michel e de Frère François concordam todos sobre este ponto:
      O último Segredo de Fátima, escrito numa pequena folha de papel, não é, portanto, muito longo. Provavelmente vinte ou vinte e cinco linhas (…)
      D. João Venâncio olhou ―para o envelope [contendo o Terceiro Segredo] que segurava contra a luz. Pôde ver dentro dele uma pequena folha, cujo tamanho exacto mediu. Sabemos, assim, que o Terceiro Segredo não é muito longo, provavelmente 20 a 25 linhas (…)


      Só então conseguiu a Irmã Lúcia super ar a sua perturbação e escrever o Terceiro Segredo de Fátima 1. Mas, mesmo assim, só em 9 de Janeiro de 1944 escreveu a seguinte nota ao Bispo D. José Alves Correia da Silva, informando-o de que o Segredo tinha sido finalmente escrito: Já escrevi o que me mandou; Deus quis provar-me um pouco [,] mas afinal era essa a sua vontade: Está lacrada [a parte que me falta do segredo] dentro dum envelope e este dentro dos cadernos (…)

Trecho do Livro: O Derradeiro Combate do Demônio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário