sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

A Santíssima Virgem - Mons. Marcel Lefebvre

     A Santíssima Virgem Maria, Ela, não mudou nunca. Imaginai que a Santíssima Virgem Maria pudesse mudar sobre a ideia que se poderia fazer da divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, seu Divino Filho, sobre o sacrifício da Cruz que Ele devia padecer, sobre a obra da Redenção! A Santíssima Virgem pôde mudar um ápice em sua Fé? Pôde, em alguma época de sua vida, ter dúvidas, cair no erro? Pôde duvidar da divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, duvidar da Santíssima Trindade, Ela que estava cheia do Espírito Santo? Impossível, inconcebível!
      Ela já estava aqui embaixo na eternidade. A Santíssima Virgem Maria, por sua Fé, uma Fé imutável, profunda, não podia ser turbada de forma alguma, isso é evidente. A esta santa Mãe devemos pedir que tenhamos sua fidelidade, “Virgo fidelis”, Virgem fiel.
      Não nos deixemos levar pelos ruídos que nos rodeiam; fidelidade, fidelidade, como a Santíssima Virgem Maria.
      E acrescentaria sobre a Santíssima Virgem Maria uma coisa que me parece importante para nós no momento que vivemos atualmente. A cada momento nos é dito: Nossa Senhora fez isto, aquilo, Nossa Senhora apareceu aqui, Nossa Senhora comunicou tal mensagem a tal pessoa. Certamente, não somos contra a possibilidade de uma palavra que a Santíssima Virgem possa dirigir a pessoas de sua escolha, evidentemente. Mas estamos em um período tal, neste momento, que devemos desconfiar, devemos desconfiar.
      O lugar da Santíssima Virgem Maria na teologia da Igreja, na Fé da Igreja, é, na minha opinião, infinitamente suficiente para que a amemos sobre todas as criaturas depois de Nosso Senhor Jesus Cristo, e para que tenhamos nEla uma devoção que seja uma devoção profunda, contínua, cotidiana.
      Não é necessário para nós que tenhamos de recorrer constantemente a mensagens das quais não estamos absolutamente certos se vêm ou não da Santíssima Virgem. Não falo das aparições que foram e são abertamente reconhecidas pela Igreja. Mas devemos ser muito prudentes no que concerne aos rumores que ouvimos hoje de todos os lados. A cada instante recebo pessoas ou comunicados que me seriam enviados por parte da Santíssima Virgem, ou de Nosso Senhor, uma mensagem recebida ali, outra recebida acolá. Desejamos que Nossa Senhora esteja entre nós todos os dias.
      Mas Ela está, o sabemos, Ela está conosco. Ela está presente em todos os nossos Sacrifícios da Missa. Ela não pode se separar da Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nossa devoção à Santíssima Virgem deve ser profunda, perfeita, mas não deve depender de alguma mensagem particular.



Mons. Marcel Lefebvre - O Golpe de Mestre de Satanás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário