segunda-feira, 14 de março de 2016

§II. A meditação da Paixão de Cristo nos enche de consolação

 
1. Nas nossas angústias

Quem nos poderá consolar tão eficazmente neste vale de lágrimas como o nosso Salvador Crucificado? Quem nos poderá tranqüilizar quando nos sentirmos atormentados pelos remorsos de nossos pecados? O que mais, senão o pensamento de que Jesus Cristo se deu a si mesmo pelos nossos pecados? (Gal 1, 4). “Meus filhinhos, eu vos escrevo isto para que não pequeis, diz São João na sua primeira epístola (1 Jo 2, 1). Se alguém, porém, pecar, temos junto do Pai a Jesus Cristo por nosso Advogado, e este é a propiciação pelos nossos pecados”.

Jesus Cristo não cessa de pedir por nós ao Eterno Pai, apesar de Sua Morte; ainda agora é Ele nosso Intercessor e, segundo São Paulo, parece que Ele nada mais tem a fazer no Céu senão pedir ao Pai misericórdia para nós. O Apóstolo chega até a dizer que Jesus Cristo subiu ao Céu justamente “para interceder continuamente por nós diante do Pai” (Heb 9, 24). Assim como os rebeldes são expulsos da presença de seu rei, deveríamos também nós, como pecadores, ser repelidos da presença de Deus e nem sequer ser admitidos para pedir perdão; Jesus, porém, se colocou como nosso Salvador diante de Deus e alcançou-nos novamente a Graça que tínhamos perdido.

Muito mais fortemente clama por misericórdia em nosso favor o Sangue de nosso Divino Salvador do que o sangue de Abel por vingança contra Caim. “Depois que Eu me vinguei no corpo inocente de Jesus Cristo, disse um dia o Pai Eterno a Santa Maria Madalena de Pazzi, minha justiça transformou-se em benignidade. O Sangue de meu Filho não pede vingança, como o sangue de Abel, mas misericórdia e compaixão; e, a tal brado, minha justiça fica apaziguada”.

Esse Sangue prende, de certo modo, as mãos do Senhor, de forma que Ele não as pode mais levantar para castigar os pecadores. “Que tens a temer, ó pecador, pergunta São Tomás de Villanova, se pretendes deixar o pecado? Como poderá te condenar esse amante Salvador, que morreu para te não condenar? Como poderá repelir-te quando te voltas para Ele, se Ele, quando fugias de Sua presença, desceu do Céu em busca de ti?”

2. Nas nossas tribulações

Onde encontraremos força para suportar com paciência e resignação todas as perseguições, calúnias, humilhações, perda de bens e honras, senão na meditação de nosso Salvador pobre, desprezado e caluniado, que morre despido e abandonado por todos em uma Cruz? Quando vemos as grandes tribulações de nosso Salvador Crucificado, diz São Bernardo, devemos menosprezar as nossas. “Que coisa não te parecerá doce, pergunta o mesmo Santo, se pensares na amargura de teu Salvador?” Perguntado uma vez São Elzeário por sua esposa Delfina sobre como podia suportar tantas injúrias com tão grande calma, respondeu: Quando me injuriam, penso no que sofreu o Salvador Crucificado, e retenho esse pensamento até que volte por inteiro a calma.

Quando, pois, nos sentimos interiormente abandonados e privados da presença sensível de Deus, unamos o nosso desamparo ao que Jesus Cristo sofreu na Sua Morte. Às vezes o Salvador se esconde às Suas almas mais queridas; nunca, porém, se afasta de seus corações, e continua a auxiliá-las internamente com Sua Graça. Não se dá Ele por ofendido quando, em circunstâncias tais, Lhe dizemos o que Ele disse a Seu Eterno Pai, no Jardim das Oliveiras: “Meu Pai, se for possível, afastai de mim este cálice” (Mat 26, 39). Mas devemos também ajuntar imediatamente: “Não se faça como eu quero, mas como Vós quereis”. E se o desamparo continua, devemos também prosseguir na repetição desse ato de resignação, como o fez Jesus Cristo nas três horas de Sua agonia.

À Irmã Madalena Orsini, que por muito tempo se achava em grandes tribulações, apareceu uma vez o Salvador Crucificado e exortou-a a sofrer com paciência. A serva de Deus respondeu-Lhe: Mas, Senhor, Vós padecestes só três horas na Cruz, ao passo que eu já sofro este tormento há vários anos. Jesus repreendeu-a então, dizendo: Ó ignorante, que dizes? Desde o primeiro instante de minha existência no ventre de minha Mãe experimentei em meu Coração tudo o que sofri mais tarde na Cruz.

III. Nas nossas enfermidades

Que coisa nos poderá consolar mais em nossas doenças do que a vista de Jesus Crucificado? Quando estamos doentes, temos ao menos um leito: Jesus, porém, em Sua Morte dolorosíssima, em vez de um leito, tinha o duro madeiro da Cruz ao qual estava pregado com três cravos; em vez de um travesseiro, tinha, para repousar Sua dolorida cabeça, aquela coroa de espinhos que O atormentou até o Seu último suspiro.

Como quisessem atar com cordas ao santo capuchinho José de Leonissa, para sujeitá-lo a uma dolorosa operação, tomou ele o seu crucifixo e exclamou: Para que cordas? Eis aqui as minhas cordas; meu Senhor e Salvador, que foi pregado na Cruz por amor de mim, é Quem me ata; por Suas dores Ele me obriga a suportar pacientemente, por amor dEle, toda e qualquer dor. E, à vista de Jesus, que na Sua Paixão “não abriu a boca, como um cordeiro diante do que o tosquia”, sofreu ele a operação sem proferir uma só palavra de queixa.
Quando estamos doentes, amigos compassivos e parentes estão ao redor de nós, procurando minorar as nossas penas; Jesus, porém, morreu no meio de Seus inimigos, que não cessaram, mesmo na Sua agonia e até ao Seu último suspiro, de O injuriar e de tratá-lO como um criminoso e sedutor do povo. Certamente nada é tão próprio para consolar a um doente, especialmente se ele se vê abandonado pelos homens, do que a vista de Jesus Crucificado. Oh! Sim, a maior consolação que o doente pode então sentir consiste em poder ele unir seus sofrimentos com os de Jesus Cristo.

IV. Na hora da nossa morte

Quando começa o último combate de um moribundo e os ataques do inferno, a lembrança dos pecados cometidos e das contas que brevemente terá de prestar diante do tribunal de Deus, lhe ocasionam agonias mortais, a única consolação que lhe fica é abraçar a Cruz e dizer: Ó meu Jesus e meu Salvador, Vós sois o meu amor e a minha esperança.

Achando-se uma vez enfermo, São Bernardo foi transportado, em uma visão, diante do tribunal de Deus e, aí, acusado de seus pecados pelo demônio, que lhe afirmava que ele não merecia o Céu. Respondeu então o Santo: Sim, eu não mereço o Céu, mas Jesus tem um duplo direito a ele: primeiro, porque Ele é o verdadeiro Filho de Deus; segundo, porque adquiriu o Céu por Sua Morte. Ele contenta-se com o primeiro título e deixa-me o segundo; por isso peço o Céu e espero alcançá-lo.

Assim podemos também falar, pois São Paulo diz que Jesus Cristo quis morrer consumido pelas dores para abrir o Céu a todos os pecadores arrependidos, que estão decididos a não pecar mais. A vista do Salvador morrendo na Cruz dava aos Mártires a coragem e força de suportar com paciência os mais horrendos tormentos que a crueldade dos tiranos podia imaginar; e isso os fazia não só suportar com paciência, mas até com alegria e com o desejo de sofrer ainda mais por amor de Jesus Cristo.

Eis a célebre carta que Santo Inácio de Antioquia escreveu aos cristãos, quando ele foi condenado a ser lançado aos animais bravios: “Meus filhos, eu sou o trigo de Deus; deixai que eu seja moído pelos dentes dos animais bravios, para que eu me torne um pão delicioso a meu Salvador. Eu procuro somente Aquele que morreu por nós. Deixai-me imitar a Paixão de meu Salvador. Ele, que é o único objeto de meu amor, e o amor que Lhe tenho excita em mim o desejo se ser também crucificado por Ele”.
 
(ESCOLA DA PERFEIÇÃO CRISTÃ – compilação dos escritos de Santo Afonso Maria de Ligório, pelo Padre Saint-Omer,)

Nenhum comentário:

Postar um comentário