quarta-feira, 27 de julho de 2016

PENA DE DANO QUE OS RÉPROBOS SOFREM NO INFERNO

Derelinquam eum, et abscondam faciem meam ab eo… invenient eum omnia mala – “Eu o deixarei, e esconderei dele meu rosto… todos os males virão sobre ele” (Deut. 31, 17).

Sumário. Não são as trevas, a infecção, os gritos, o fogo, que constituem o inferno; o que faz o inferno é a dor de ter perdido a Deus e de não O poder amar. Aparta-te (dirá o Juiz à alma na sentença final), aparta-te de mim; não te quero mais ver. Tu não mais serás minha, nem eu serei nunca mais teu. Ó separação amarga!… Quem sabe, meu irmão, se esta pena tão terrível não nos está reservada também? Fascinados como estamos pelos bens terrestres, não a compreendemos agora, mas experimenta-la-íamos, se um dia tivéssemos a desgraça de nos perder.

Todos os sofrimentos dos réprobos no inferno não são nada em comparação com a pena de dano. Não são as trevas, a infecção, os gritos, o fogo, que constituem o inferno: o que faz o inferno é a dor de ter perdido a Deus e de não mais O poder ver nem amar. É o que um dia o demônio disse quando Santa Catarina de Gênova lhe perguntou quem era: “Eu sou aquele”, respondeu, “que está privado de amor de Deus”. – Pelo que São João Crisóstomo diz que mil infernos não podem igualar esta perda; que mil infernos nada seriam em comparação com a pena de estar longe de Deus e ser odiado por Ele. Santo Agostinho acrescenta que os condenados, se gozassem a vista de Deus, deixariam de sofrer e o inferno tornar-se-ia paraíso: Ipse infernus verteretur in paradisum.
Fascinados como estamos pelos bens da terra, não podemos compreender o que seja o estar privado para sempre da presença de Deus, mas para fazermos uma leve idéia deste tormento, arrazoemos assim: Se alguém perdesse uma pedra preciosa no valor de 100 mil reis, sentiria grande mágoa; se tivesse o valor de 200 mil reis, a mágoa seria dobrada; maior ainda seria, se o valor fosse de 400 mil reis; numa palavra, a mágoa cresceria sempre em proporção do valor do objeto perdido. E qual é o bem que o réprobo perde? Um bem infinito, que é Deus; portanto, conclui Santo Tomás, a pena que esta perda lhe causa, é de algum modo infinita.
Todo o inferno está, pois, nestas primeiras palavras da sentença final: Discedite a me, maledicti – Retirai-vos, malditos, não quero que me torneis a ver a face. – Se ouvíssemos os gemidos de uma alma condenada, e lhe perguntássemos: Ó alma, porque estás gemendo tanto? Ela só teria esta única resposta: Estou gemendo, porque perdi meu Deus e nunca mais o tornarei a ver. Esconderei dele meu rosto; todos os males virão sobre ele.
Quando Davi condenou Absalão a não mais se apresentar diante dele, o jovem príncipe ficou tão aflito que respondeu: “Dizei a meu pai que me dê licença de o ver, ou que me mande matar.” (1) A um fidalgo de sua corte, que se tinha portado com pouco respeito na igreja, disse um dia Filipe II: “Não compareças mais em minha presença.” O cortezão retirou-se para casa tão consternado, que morreu de pesar. Que será então, quando, na hora da morte, Deus dizer ao réprobo: “Aparta-te; não te quero mais ver; nunca mais serás meu e eu nunca mais serei teu!” Voca nomem eius, non populus meus (2) – “Chama-lhe pelo seu nome: Não-meu-povo”.
Vós sois, meu Deus, o soberano Bem, o Bem infinito, e quantas vezes Vos perdi eu voluntariamente! Sabia que pelo meu pecado Vos ofendia gravemente, e no entanto o cometi! Ah, se não Vos visse pregado na cruz a morrer por mim, já não teria mais coragem para Vos pedir e esperar o perdão. A esta hora deveria estar no inferno, já há muitos anos, sem esperança de poder ainda amar-Vos e de recuperar a vossa graça perdida. Meu Deus mais do que todos os males detesto a injúria que Vos fiz, renunciando à vossa amizade e desprezando o vosso amor, por indignos prazeres da terra. Porque não morri antes mil vezes? Como pude ser tão cego e tão insensato?
Agradeço-Vos, meu Senhor, por me concederdes o tempo para reparar o mal que fiz. Já que, pela vossa misericórdia, estou ainda fora do inferno e Vos posso amar, quero amar-Vos, meu Deus. Nem por um só instante quero adiar a minha conversão. Amo-Vos, bondade infinita, amo-Vos minha vida, meu tesouro, meu tudo. Meu Jesus, lembrai-me sempre o amor que me haveis tido e o inferno em que devia estar, afim de que este pensamento me anime incessantemente a fazer atos de amor e a dizer-Vos: eu Vos amo, eu Vos amo. – Ó Maria, minha Rainha, minha Esperança e minha Mãe, se estivesse no inferno, já não poderia amar-Vos. Amo-Vos, minha Mãe, e em vós espero nunca deixar de vos amar, a vós e a meu Deus. Ajudai-me; rogai a Jesus por mim. (*II 121.)
  1. 2 Reg. 14, 25. 2. Os. 1, 9.
Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo II – Santo Afonso

Nenhum comentário:

Postar um comentário