quarta-feira, 12 de outubro de 2016

O GRANDE SEGREDO DA MORTE


O mors, bonum est iudicium tuum homini indigenti — “Ó morte, é bom o teu juízo para o homem necessitado” (Ecclus. 41, 3).
Sumário. Durante a vida, as paixões fazem que os bens terrestres pareçam de modo muito diferente do que são; a morte, porém, mostra-os na sua verdade: fumaça, lodo e miséria. Meu Deus! Para que servirão as riquezas, quando não nos restar senão uma simples mortalha? Para que servirão honras e dignidades, quando não tivermos nada senão um cortejo fúnebre? Para que servirá a beleza do corpo, quando nada mais nos ficar senão vermes e podridão? Que grande segredo é o da morte! Como seria bem regrada a nossa vida se o soubéssemos aproveitar bem!

Oh, quantas pessoas podem repetir a palavra do rei Ezequias: Praecisa est velut a texente vita mea (1) — “A minha vida foi cortada como por um tecelão”. Apenas estão urdindo a tela, isto é, planejando e executando os seus projetos terrestres, combinados com tanta prudência, senão quando vem a morte e põe fim a tudo! Então, ao clarão do último facho, todas as coisas do mundo desaparecem: aplausos, regozijos, pompas e grandezas. — Grande segredo o da morte! Ela nos faz ver o que não vêem os amantes do mundo. As fortunas mais cobiçadas, os postos mais eminentes, os triunfos mais magníficos, perdem todo o brilho, quando considerados no leito da morte. Convertem-se então em indignação contra a nossa própria loucura as idéias que tínhamos formado acerca de certas felicidades ilusórias. A sombra negra e sinistra da morte encobre e obscurece todas as dignidades, sem excetuar as dos reis.
Durante a vida, as paixões fazem que os bens terrestes pareçam muito diferentes do que são; a morte tira-lhes a máscara e mostra o que são na verdade: fumaça, lodo, vaidade e miséria. — Meu Deus, para que servirão na hora da morte riquezas, título, reinos, quando nada nos restar senão um esquife de madeira e uma simples mortalha para nos cobrir o corpo? Para que servirão as dignidades e as honras, quando nada mais tivermos senão um cortejo fúnebre e pomposas exéquias, que de nada valerão à alma, se esta estiver perdida? Para que servirá a beleza do corpo, quando, ainda antes de morrer, se tornar em vermes, podridão e pouco depois em um punhado de pó infecto?
Posuit me quasi in proverbium vulgi, et exemplum sum coram eis (2) — “Ele me reduziu a ser como um provérbio do povo, e estou feito diante deles um exemplo”. — Morre tal ricaço, tal ministro, tal general e sua morte será apregoada por toda a parte; mas se viveu mal, tornar-se-á alvo dos ataques do povo; e como prova da vaidade do mundo e também da divina justiça, servirá para exemplo dos outros. – Na cova estará confundido entre os cadáveres dos pobres: Parvus et magnus ibi sunt (3) — “O pequeno e o grande ali estão”. Que lhe valeu a bela estatura do corpo, agora que não é senão um montão de vermes? Que lhe valeu a autoridade que possuía, agora que seu corpo está condenado a apodrecer numa vala e sua alma a arder no inferno?
II. Se quisermos dirigir bem as nossas ações e avaliar bem as coisas deste mundo, avaliemo-las como no leito de morte. Tempus breve est (4). O tempo é breve, diz o Apóstolo; tudo passa e acaba depressa. Por isso, imaginando cada dia que estamos próximos da morte, apressemo-nos a fazer o que então quiséramos ter feito. Quem sabe se a morte não nos virá surpreender de improviso? — Oh, que miséria! Vivermos apegados aos bens transitórios e descuidarmo-nos dos eternos! Que insensatez! Servirmos aos outros de assunto para reflexões úteis e não as termos feito para nosso próprio proveito!
Persuadamo-nos de que, para remediar as desordens da consciência, não é próprio o tempo da morte, mas sim o da vida. A razão nô-lo persuade; porquanto um homem mundano achar-se-á então fraco de espírito, escurecido e endurecido de coração, pelos maus hábitos adquiridos e as tentações serão mais veementes. O que em vida costumava ceder-lhes e deixar-se vencer, como lhes resistirá na morte? Seria mister uma graça divina mais poderosa, e será porventura Deus obrigado a concedê-la? Ou tê-la-á merecido o homem pela vida desregrada que levou?
Ó Deus de minha alma, ó bondade infinita, tende piedade de mim, que tanto Vos tenho ofendido. Sabia que, pecando, perdia a vossa graça e quis perdê-la. Dizei-me: que tenho eu a fazer para a recuperar? Se quereis que me arrependa dos meus pecados, eu me arrependo de todo o coração e quisera morrer de dor. Se quereis que espere o perdão de vossa misericórdia, eu o espero pelos merecimentos de vosso Sangue. Se quereis que Vos ame sobre todas as coisas, tudo deixo, renuncio a todas as doçuras e vantagens que me pode oferecer o mundo e amo-Vos mais que a todos os bens, ó meu Salvador amabilíssimo. Se quereis, enfim, que Vos peça graças, eu Vos peço duas: não permitais que ainda torne a ofender-Vos, fazei que Vos ame e depois disponde de mim segundo a vossa vontade. — Maria, minha esperança, alcançai-me estas duas graças; é de vós que as espero. (*II 16.)
  1. Is. 38, 12.
    2. Iob. 17, 6.
    3. Iob 3, 19.
    4. I Cor. 7, 29.
Meditações: Para todos os Dias e Festas do Ano: Tomo III – Santo Afonso

Nenhum comentário:

Postar um comentário